Fatos Históricos

Nesse cenário em rápida transformação, a antiga oligarquia pastoril, que em boa parte enriquecera enormemente e fora enobrecida no império, e ainda mantinha no fim do século XIX o monopólio dos meios de produção mais importantes, diante da crescente concentração das atividades comerciais e industriais nos centros urbanos, ambas em franca ascensão, viu-se rapidamente perdendo dinheiro, espaço político e influência. O resultado foi a última das grandes guerras civis do estado, a Revolução de 1923, chamada de A Libertadora, que procurou acabar com o continuísmo de Borges de Medeiros. O tumulto mal chegou às portas das cidades, limitou-se ao campo, e foi um confronto desigual.

De um lado os revoltosos, desorganizados, em menor número e com munição precária, usando armas do tempo da Revolução Farroupilha, contra a Brigada Militar, bem treinada e equipada com metralhadoras e grande volume de soldados. Os revoltosos perderam a questão e Borges ficou por um quinto mandato, mas teve de renunciar a uma sexta reeleição. O governo federal não se envolveu, a não ser como intermediário nas conversações que levaram à Paz de Pedras Altas, selada em 14 de dezembro, que foi um acordo bastante equânime e conciliador. Possibilitou um entendimento real entre as facções maragato (libertadores, assisistas) e chimango (republicanos, borgistas).

Do lado da Federação, houve avanços e recuos no setor econômico. De início o governo tentou aplacar os estancieiros suspendendo a importação de charque platino, concorrente mais barato, mas logo depois iria proibir o escoamento de produtos brasileiros através de portos estrangeiros, o que foi mais um golpe para as charqueadas da fronteira oeste, que usavam o porto de Montevidéu. A exportação de charque caiu pela metade, o mesmo acontecendo com a carne resfriada. A economia gaúcha no final desses primeiros trinta anos do século XX só foi salva pelos ganhos crescentes da indústria e do comércio, capazes inclusive de sustentar novos avanços no campo cultural…

Fonte: Cultura Gaúcha

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>